• GFD

Importância da técnica de corrida na prevenção de lesões

Técnica de Corrida


Quando corremos, nunca pensamos muito no que é realmente correr. Simplesmente pomos um pé a seguir ao outro e seguimos no nosso passo. No entanto, e independentemente do nível ou velocidade a que corremos, existem alguns pormenores a ter em atenção se queremos ter uma boa técnica de corrida.

Uma boa técnica de corrida significa uma corrida mais rápida, eficiente e suave, com menor risco de lesão e é, por isso, tão importante ser treinada como a resistência e velocidade.

Como cada corredor tem a sua técnica ou estilo de corrida individual, pela sua postura, força ou mobilidade, não existe um padrão fixo de corrida a alcançar mas sim algumas guias para evitar gestos prejudiciais.

Forma Física


Para conseguir ter uma boa técnica de corrida, primeiro precisamos de ter a capacidade física de a realizar. Esta capacidade consegue-se através do reforço muscular e de mobilidade que deverá estar sempre associado a um plano completo de treino de corrida.


O Core deverá ter a capacidade de estabilizar todo o corpo na passada, no momento de voo e no momento de apoio, onde o impacto é maior, e permitir movimentos controlados entre os membros superiores e inferiores com dissociação entre a cintura e os ombros.


Nos membros inferiores também devemos ter força de glúteos para facilitar a impulsão e estabilidade da anca. Além dos glúteos, devemos ter uma boa estabilidade no ponto de apoio, neste caso nos pés, para facilitar a dissipação e transferência de energia na passada e prevenir lesões no caso de terrenos irregulares.

O último requisito para uma boa técnica de corrida prende-se com uma boa mobilidade. É necessária extensão da anca sem restrição para uma melhor acção dos glúteos e boa mobilidade dos pés para o trabalho livre no momento da receção ao solo e impulsão da passada.


A Técnica


Ao mesmo tempo que se trabalha a parte física, devemos começar a treinar a técnica de corrida. Para isso podemos seguir as seguintes linhas de orientação:


- Apoio do médio-pé: devemos favorecer o apoio total do pé no momento de receção ao solo. É importante o apoio completo do pé para melhor dissipação e resposta às forças de impacto da passada mas é de evitar o impacto primário do calcanhar, pois a área de apoio é menor, mais instável e com menos elasticidade do que o médio-pé, particularmente se esse apoio se der excessivamente à frente do centro de massa do corpo.


-Cadência entre os 170 e os 180 passos por minuto: embora não exista um número ideal, considera-se que a corrida é mais eficiente neste intervalo. Com o aumento da velocidade a cadência pode também aumentar. Para gerir este número podemos fazer a contagem de passos num dado momento do treino – por exemplo contar 90 passos a cada 30 segundos ou utilizar um metrónomo com um ritmo também entre os 170 ou 180 BPM e acompanhar.


Elevação do joelho e pé: a maneira mais simples de elevar as pernas ou fazer uma passada circular, sem desequilibrar para a frente ou para trás, é imaginar uma bola ou ovo atrás do joelho e apertar ligeiramente. A quantidade de elevação dos pés e joelhos depende da velocidade da passada mas deve sempre manter um movimento circular, sem arrastar a ponta do pé.


Existem muitas mais variáveis na técnica de corrida como o tempo de contacto no solo, o tempo de voo, o comprimento da passada por exemplo. No entanto, para evitar um excesso de estímulo e porque todas estas variáveis são mutuamente influenciáveis, basta o foco nas três linhas de orientação referidas para aproximar a técnica de corrida ao ideal de cada um.


De referir também a importância do calçado e a influência que este tem na técnica, sendo que deverá ser adequado tanto às características próprias como às capacidades do corredor.


Na grande maioria dos casos, a técnica de corrida é algo que demora tempo e necessita de bastante treino para aperfeiçoar, sendo que temos que dar tempo ao corpo de se ajustar a qualquer mudança.


É natural que ao treinar a técnica surjam algumas dores musculares pouco habituais e, por isso, devemos estar atentos e não sobrecarregar neste aspecto. É preferível dar mais tempo ou reduzir o tempo de treino de técnica se o corpo assim o exigir. Um bom esquema de treino é fazer os primeiros e últimos 5 minutos de uma corrida com atenção à técnica e no restante tempo o treino normal.


Artigo publicado em Liga Running by Fisioterapeuta GFD, David Maia


Ver também proposta de exercícios fundamentais para os praticantes de corrida


187 visualizações

GFD Amadora

Rua Olivença nº9
2700 - 622 Amadora

GFD Belém

Rua Fábrica Carp, 12A
1400-412 Lisboa

Não encontrou o que procurava?